IPVA + MOTO LEGAL

IPVA + MOTO LEGAL

ArFrio refrigeracoes

ArFrio refrigeracoes
Peças e Serviços. Soluções em Ar-Condicionado. (99) 98156-9313

Previsão para fim de rodízio de água e solução de problema é para próxima semana, afirma Gerente Regional da Caema

7 de novembro de 2017


Previsão para fim de rodízio de água e solução de problema é para próxima semana, afirma Gerente Regional da CaemaDuas das quatros bombas que operam no sistema de abastecimento de Imperatriz apresentaram defeitos devido ao baixo nível do Rio Tocantins

Governo do Estado liberou este ano um investimento de R$ 20 milhões para a distribuição de água em Imperatriz. Até julho de 2018 todas os setores estarão contemplados com as obras. (Foto: Reprodução)

O Gerente Regional da Companhia de Água e Esgoto do Maranhão (Caema), Rafael Heringer, informou nesta terça-feira (11) que o fim do rodízio de água, que acontece em toda cidade de Imperatriz, está previsto para próxima semana com a chegada de uma das bombas que foi para o conserto.

Rafael explica que com a chegada dessa bomba a forma de rodízio poderá cessar e o abastecimento normalizar. “Quatro bombas operam em Imperatriz, sendo uma reserva. Duas bombas apresentaram defeitos quase simultaneamente, e por isso tivemos que adotar a forma de rodízio para que a população não ficasse tão prejudicada”, salienta Heringer.

Ainda sobre o problema, o gerente regional esclarece que as bombas apresentaram defeito devido as condições do nível das águas. “Essas bombas são feitas para operar com um determinado nível de água. O rio chegou a um nível histórico bem abaixo do normal e dessa maneira acabou afetando as bombas e sobrecarregando com pouca água e muito areia”, informa Heringer.

Este ano foi anunciado pelo Governo do Estado o investimento de R$ 20 milhões para a captação de água e esgoto em Imperatriz. Sobre as obras, Rafael aponta que estão a todo vapor e que até julho do próximo ano todas as etapas estarão concluídas.

“A cidade é dividida em 12 setores e 09 desses setores serão beneficiados com esse investimento. Os setores escolhidos são aqueles que sofrem constantemente com a falta de água devido ao crescimento acelerado e a falta de investimento que houve por parte da companhia nos últimos 30 anos”, informa Rafael.

Muitas obras estão sendo realizadas simultaneamente pela cidade e parte da população reclama da situação em que as ruas ficam. Para essa situação, Rafael Heringer relata que há um cronograma. “Infelizmente nós precisamos cavar para colocar a tubulação. Sei que isso gera um transtorno para a população, mas, todas as ruas em que nosso serviço tem sido feito, depois de todas as etapas finalizadas, estão sendo recuperadas”, informa o gerente regional.

Sobre os próximos investimentos, Rafael garante que já há um planejamento para que o problema de falta d’água devido ao nível do Rio Tocantins não volte a acontecer.

 “Este ano ainda conversamos com a Agência Nacional de Águas e caso o nível das águas baixasse mais, seria preciso um empréstimo de bombas da Sabesp, sugerido pela ANA, que são preparadas para trabalhar em um nível baixíssimo de água. Entretanto, não será preciso mais pensar nessa possibilidade”, pontua Heringer.

Rafael ainda informa que “para o ano que vem, caso o rio chegue em um estado crítico, a Caema já disparou um processo, que é a licitação do projeto. Esse processo é para elaboração e execução do projeto de benfeitoria do equipamento necessário para essa situação”.

Ainda sobre os investimentos, o gerente regional diz que a reforma da estação de tratamento e captação de água já começou. “Toda a estação será reformada e modernizada para poder receber até visitantes. Há 30 anos não se tem uma reforma nas estações da Caema”.

70 km de rede de distribuição de água estão sendo colocadas em Imperatriz. As obras já alcançam o setor 04, dos 09 previstos. Até julho de 2018 todos os setores estarão contemplados com o investimento.

“Estamos investindo nas estações, nas manutenções, abrindo licitações para a compra de mais bombas. Trabalhando em coisas que nunca foram feitas nos últimos 30 anos. E tudo isso para que a população tenha estabilidade no abastecimento. Estamos recuperando um déficit de 30 anos, por isso leva ainda um tempo para que todos os problemas sejam sanados”, conclui Rafael Heringer.

Fonte: correio popular.

Compartilhar esta notícia :
 
Produzido por Dicamax Tecnologia e Comunicação | Portfólio | Serviços
Copyright © 2014. Blog Asmoimp - Todos os Direitos Reservados
Entre em contato conosco para críticas e sugestões
Ficamos muito felizes com sua visita